Um funcionário de uma pastelaria no Centro de Teresina foi morto na tarde desta segunda-feira (21) após desentendimento por causa de lanche. 
Emanoel de Sousa Xavier foi esfaqueado e morto na pastelaria, localizado na rua Álvaro Mendes, Centro de Teresina. Segundo a Polícia Militar, a vítima morava em uma quitinete nos fundos da pastelaria há 22 anos onde trabalhava fazendo limpeza e como vigia. Uma discussão por causa de lanches teria sido a motivação do crime. A Polícia informou que o funcionário teria parado de fazer as doações dos alimentos e motivou a briga. 
O suspeito, de acordo com a polícia, foi identificado como Francisco Leandro dos Santos, de 27 anos. Ele estava morando em outra quitinete no local há três meses. As  informações do 1º Batalhão da Polícia Militar (BPM) são de que a vítima foi esfaqueada enquanto descansava após o almoço. 
"O que a gente apurou até agora é que o Emanoel estava deitado depois do almoço e foi esfaqueado. Ele ainda levantou e correu  para a pastelaria onde caiu e foi a óbito", disse o tenente-coronel Hélio Henrique, do 1° BPM.
O suspeito foi preso em flagrante na avenida José dos Santos e Silva e levado para a Central de Flagrantes. A PM ainda não tem informações sobre o que teria motivado o crime. 
De acordo com o delegado Jarbas Lima, do departamento de Homicídios, o suspeito confessou o crime e a primeira informação que surgiu, segundo ele, é que a vítima teria parado de doar lanches. "A motivação será esclarecida ao certo ao longo do inquérito policial", disse ao Cidadeverde.com.
Ainda de acordo com o delegado, o autor do crime alegou legítima defesa e que a vítima tentou furar seu olho. "Ele confessou o crime alegando legítima defesa, de que a vítima tentou agredi-lo, furar seu olho e chutar  suas partes  íntimas, mas isso não procede. Ele estava sujo de sangue com uma faca, além de R$ 800", afirmou.
O dinheiro, de acordo com o delegado, seria de uma pensão que o suspeito disse que recebe. "Está sendo averiguado se ele sofre de algum distúrbio mental. Ele se diz aposentado", afirmou.
O irmão da vítima, o pedreiro José dos Santos Sousa Xavier, disse que  Emanuel era um homem de bem. “Ele era uma pessoa boa e eu não tenho conhecimento de que ele tivesse desavença com ninguém”, lamentou muito abalado.
Flash Lyza Freitas
redacao@cidadeverde.com