Dados são da Defesa Civil, que acrescentou Caxias como nova cidade em situação de emergência. Já são 20 cidades maranhenses que sofrem com as consequências das chuvas no estado.

Dados divulgados pela Defesa Civil estadual neste domingo (15) sobre as consequências das chuvas no Maranhão indicam que o número de famílias afetadas já chega a 2006.

Da manhã de sábado (14) para a manhã deste domingo (15), Caxias foi acrescentada na lista de cidades em situação de emergência. O município é a nona cidade a ser incluída na lista, que conta também com Marajá do Sena, Pedreiras, Trizidela, Lago dos Rodrigues, Presidente Vargas, Brejo, São João do Sóter, Tuntum.

No total, são 20 cidades maranhenses afetadas pelas chuvas em todo o estado. São as cidades de: Marajá do Sena, Pedreiras, Trizidela, Caxias, Lago dos Rodrigues, Presidente Vargas, Brejo, Bacabal, Imperatriz, São João do Sóter, Tuntum, Codó e Formosa da Serra Negra.

Os municípios de São Luís Gonzaga, Rosário, Timbiras, Cantanhede, Nina Rodrigues, Paulino Neves e Araioses atualmente estão em estado de alerta e a Defesa Civil também acompanha a situação.

Segundo a Defesa Civil, dentro do Plano de Contingência um posto de comando foi instalado em Trizidela do Vale para realizar o atendimento dos municípios do centro maranhense banhados pela bacia hidrográfica do Mearim, local onde está a maioria das cidades com quadro de inundação.

Em Codó, um ginásio de esportes tem servido de abrigo para os moradores afetados pela inundação no rio Itapecuru (Foto: Reprodução/TV Mirante)

Chuvas no Maranhão

Após o grande volume de chuvas que caiu durante toda a semana, as cidades mais atingidas pelas cheias tentam se recuperar dos estragos causados. Em Tuntum, a 365 km de São Luís, a chuva quase devastou a cidade durante a maior enchente em 30 anos registrada na região.

Vídeo mostra município de Tuntum alagado após chuva
Após o transbordamento do rio Itapecuru em Codó, a 290 km de São Luís, equipes da Defesa Civil e do Exército se mobilizam para resgatar as vítimas das enchentes. O nível do rio já está oito metros acima do normal e um ginásio tem servido de abrigo para os moradores afetados.

Em Trizidela do Vale, o rio Mearim está 5 metros acima no nível normal. A Defesa Civil montou barracas em um ginásio de esportes para abrigar 250 famílias afetadas.

Em Pedreiras, centenas de famílias também tiveram que deixar suas casas e uma escola está servindo de abrigo. O transporte pelas ruas na cidade só é possível de canoa.

No trecho BR-135 entre Presidente Dutra e Dom Pedro que foi destruída com a força da enxurrada, metade da pista já foi recuperada, mas o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT) ainda não emitiu informações sobre a previsão de liberar a segunda parte da via.

G1 Ma