O casal se conheceu quando os dois tinham 16 anos (Foto: SBNA)

Um homem que sofria violência doméstica disse que estava "a dez dias da morte" quando foi salvo pela polícia.

O britânico Alex Skeel, de 22 anos, estava com sua parceira havia seis anos – quatro deles sofrendo abuso – quando recebeu ajuda.

Sua namorada, Jordan Worth, também de 22 anos, foi condenada a sete anos e meio de prisão por tê-lo submetido a diversos tipos de tortura física e psicológica.

Ela se declarou culpada de lesão corporal grave e controle coercitivo.

O caso é a primeira condenção por controle coercitivo no Reino Unido em que o culpado é uma mulher, segundo a polícia de Bedfordshire.

Alex vem recebendo apoio de outras vítimas de relacionamentos abusivos para falar sobre o assunto.

Juntos desde a adolescência
Os dois jovens se conheceram na escola, em 2012, quando tinham 16 anos.

Os promotores do caso disseram à Corte que, desde o início, Jordan tinha controle sobre Alex, decidindo que roupas ele deveria usar e atacando-o fisicamente.

Nos nove últimos meses do seu relacionamento, ela o machucou diversas vezes – ao ponto de ele precisar ir para o hospital.

O abuso terminou no ano passado, quando um vizinho chamou a polícia após ouvir gritos na residência do casal.

Os paramédicos notaram que a mão do jovem estava machucada e que ele tinha queimaduras nos braços e pernas que tinham sido "tratadas" em casa – ele as cobria com filme plástico.

Alex disse que a namorada não deixou que ele procurasse tratamento médico.

"Os médicos me disseram que eu estava a 10 dias da morte", disse Alex.

(VEJA MATÉRIA COMPLETA AQUI)

G1