O grupo criminoso que explodiu a Caixa Econômica Federal da avenida Barão de Gurguéia,na zona Sul de Teresina, foi preso durante operação do Grupamento de Repressão ao Crime Organizado (Greco). Sete suspeitos foram capturados e material explosivo que seria utilizado em outras explosões a banco apreendidos.

Aos suspeitos também são atribuídas ações criminosas no Maranhão como na Caixa Econômica Federal  de Timon (que resultou em um morador de rua morto) e o Banco do Brasil de Codó, onde explodiram caixas eletrônicos da agência daquela cidade já no começo desta semana.

Eles foram identificados como Diego Henrique da Silva Moura, Warlon Thierry de Sousa Pinto, Darlene de Oliveira Lopes Miranda  de Aguiar, Júlio César Ferreira Filho, Cássio Magno Melo Duarte, Antônio Sousa Silva (vulgo Nego Teixeira) e Claudio Silvano de Oliveira Lopes de Miranda.



Parte do grupo criminoso estava em um imóvel no Residencial Torquato Neto, na zona Sul de Teresina, onde foram apreendidos explosivos, rojões, dinheiro, balança de precisão, luvas, máscaras, capas de proteção, pistolas e várias munições.

“Tivemos informações de que os mesmos estariam voltando de uma explosão de banco no Maranhão, fizemos o perímetro de acompanhamento, tivemos êxito na abordagem e conseguimos encontrar a maior parte dos explosivos na zona Sul. Então, fizemos levantamentos e constatamos a rede criminosa formada por esses integrantes”, explica o Gustavo Jung, responsável pela investigação.



O delegado conta ainda que Diego Henrique e Warlon Thierry já haviam sido presos por assalto a banco, sendo que este último, saiu da Casa de Custódia há menos duas semanas.

“Os demais suspeitos davam apoio na fuga, na cena do crime e tiravam proveito dos roubos”, finaliza Jung.

Fonte: Elias Lacerda