Foto: André de Abreu
Foi preso o trio que matou e esquartejou o jovem Fernando Nascimento dos Santos, de 22 anos, na última quarta-feira (16). Sem demonstrar arrependimento, eles contam em detalhes o bárbaro crime. Os três detidos seriam do PCC (Primeiro Comando da Capital) e alegam que a vítima morreu por ser de outra a facção criminosa, a Comando Vermelho. Com frieza, eles não ficam com medo de sofrer retaliações na cadeia e adiantam:'lá é tudo nosso".
Foram presos Ueslei de Oliveira Rodrigues, conhecido como 'Di Menor', de 22 anos, Welington de Souza, o 'Dedinho', de 24 anos, e Danilo Fernandes, o 'Mil Grau', de 28 anos. Todos com uma extensa ficha criminal não negaram o crime, pelo contrário, consideram a execução como um prêmio para o PCC.
As prisões aconteceram após um trabalho em conjunto com o GOI (Grupo de Operações e Investigações da Polícia Civil), a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) do Bairro Piratininga e a 5ª Delegacia de Polícia Civil.
Conforme o delegado plantonista da Depac, Hoffman Dávila, a vítima teria ido até uma boca de fumo no Jardim Los Angeles na terça-feira (15). No local, Fernando comentou que seria do Comando Vermelho, o que teria irritado o trio, que supostamente pertence à facção rival, o PCC.
Após a vítima fazer o comentário, houve um desentendimento e Fernando acabou ficando amarrado no local por um dia. O homicídio brutal teria acontecido na madrugada de quarta-feira (16), cada um deles teve uma participação.
Ainda conforme o delegado, O 'Mil Grau' relatou que deixou Fernando amarrado e teria recebido uma ligação em que a morte da vítima teria sido 'liberada'. Durante a madrugada, começou a sessão de tortura. Colocaram um pano na boca da vítima, enquanto 'Di menor' começou a cortar o pescoço do rapaz que permanecia amarrado, já 'Dedinho' filmava tudo.
"O Mil Grau, que eu considero o mais psicopata, disse que o 'Di Menor' estaria demorando muito para degolar a vítima. Foi quando ele pegou a faca cortou, esquartejou e ainda tirou o coração de Fernando do restante do corpo'', destacou Hoffman.
Após matar e esquartejar o jovem, 'Mil Grau' pegou um Uber e fugiu. 'Di Menor', 'Dedinho' e uma pessoa ainda não identificada teriam desovado os restos mortais de Fernando, no mesmo bairro onde foi morto. "Essa outra pessoa, a princípio não teria participação na execução, mas tinha um carro, o qual levou os outros dois envolvidos até o local onde o cadáver foi encontrado'', explicou o delegado.
Prisões
O trio foi preso em locais diferentes. O 'Di Menor' estava na casa de um irmão, no Bairro Caiobá. Já 'Dedinho' e Mil Grau' foram presos em uma residência, onde funcionava uma boca de fumo nas Moreninhas. No local, estavam duas mulheres e um homem, identificado como Paulo Correia da Silva, que tinha um mandado de prisão em aberto, por ter cometido um roubo no estado de Mato Grosso.
(Delegados durante a coletiva neste domingo)
Quando a polícia chegou na casa, os suspeitos ainda tentaram fugir pulando os muros de várias casas e aterrorizando os moradores da região. Todos foram encaminhados para a polícia, as duas jovens que não possuíam passagens policiais, foram liberadas após a chegada dos pais, que agradeceram a polícia.
Coletiva
Durante uma coletiva de imprensa realizada na manhã deste domingo (20), o trio confessa todo crime. Sem demonstrar arrependimento, eles destacam que a vítima morreu por realmente ser de outra facção criminosa.
"Ele veio dizendo que era do CV e o comando não tem vez com a gente. Quem comanda aqui é o PCC e a gente não precisa de autorização para matar", destacou um dos presos.
Todos os três já foram presos por homicídio, tráfico, roubo, entre outros crimes, inclusive, dois dos envolvidos estavam com mandados de prisão em aberto.
"Quando perguntei se ele estava arrependido, ele disse que não. São frios relatam que fariam tudo novamente, mas a polícia vai trabalhar e não vai deixar facção criminosa nenhuma aumentar nesta cidade'', adiantou o delegado.