Mãe confessa em vídeo que matou filho de 2 anos queimado por ele se parecer com o pai. 
Adriana disse em vídeo que viralizou na internet que jogou o menino de 2 anos e 10 meses no monte de entulho, colocou álcool no corpo e ateou fogo. Ainda segundo ela, Alexandre se debateu, mas ela o segurou com um pedaço de madeira
Em depoimento concedido na tarde desta quinta-feira (29), na Delegacia da Polícia Civil de Piranhas, a mãe do pequeno Alexandre, morto no último domingo, confessou ter sido a autora do crime.
No vídeo que viralizou nas redes sociais, Adriana Coutrim Moreira, 29 anos, contou em detalhes como matou o próprio fillho, Alexandre Coutrim Rodrigues, de 2 anos e 10 meses de idade, na zona rural do município de Piranhas, no último domingo (25).
Ao receber a oportunidade de contar com detalhes o que aconteceu no dia da morte de  Alexandre, Adriana Coutrin a mulher disse que se levantou cedo, arrumou algumas coisas, fez almoço e deu comida para as crianças. Em seguida, segundo a mulher, ela colocou os filhos para dormir.
“Enquanto eles dormiam eu fui até o quintal e juntei o lixo e uns galhos de maracujá e coloquei fogo. Joguei ele lá na fogueira e joguei álcool nele. Ele tentou sair, mas eu segurei ele com um pedaço de madeira”, disse aparentemente emocionada.
Adriana justificou a ação criminosa por estar “chateada” e “nervosa”. “Nesse dia eu estava muito chateada e nervosa, porque não tenho parentes em volta e não saio para lugar nenhum, só ficava lá fazendo as coisas e ele (Alexandre) estava chorando muito em cima de mim aí fiquei nervosa e fiz isso”, afirmou aos investigadores.
Depois de perceber que Alexandre já não tinha sinais de vida, Adriana o “deixou lá”, como ela relatou. “Eu deixei ele lá e fui pra dentro de casa e depois de um tempo eu voltei com uma toalha e arrastei ele de lá e levei ele lá para cima”.
No vídeo divulgado, Adriana ficou ao lado do marido o tempo todo. Ela passou por exame no Hospital Municipal Cristo Redentor e foi encaminhada ao presídio local.
O Jornal O+Positivo teve acesso ao vídeo, mas por uma questão de respeito aos familiares, preferiu não divulga-lo.

Relembre o caso:

Fonte: Positivo