O ex-presidente Lula e a ex-presidente Dilma na última quinta (1º), durante o congresso do PT, em Brasília (Foto: Lula Marques/Agência PT). 


A Procuradoria da República no Distrito Federal abriu uma investigação sobre o suposto repasse de US$ 80 milhões do Grupo J&F aos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff em contas no exterior (leia mais abaixo o que dizem Lula e Dilma).
O procedimento investigatório criminal foi instaurado após o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin remeter à procuradoria trechos dos depoimentos de executivos da JBS. Lula e Dilma não têm direito ao chamado foro privilegiado.

Na delação premiada, Joesley Batista, dono da JBS, afirmou que, em 2009, foi criada uma conta para repasses a Lula, que totalizaram US$ 50 milhões. Em 2010, ainda de acordo com o delator, foi aberta outra conta, para enviar valores a Dilma, para a qual foram enviados US$ 30 milhões.
Os valores, segundo o delator, seriam contrapartida a um financiamento de R$ 2 bilhões, concedido em 2011, para a construção de uma fábrica da Eldorado Celulose.

O caso envolvendo o suposto repasse é investigado em Brasília em razão de suspeitas de desvios no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.
Segundo relatos de delatores da JBS, a empresa corrompeu políticos para ter incentivos fiscais e conseguir dinheiro no BNDES e em fundos de pensão.

O que dizem Lula e Dilma

À TV Globo, os advogados de Lula informaram que "só vão se manifestar quando tiverem acesso ao material e reiteram a inocência do ex-presidente Lula".
Em nota divulgada na semana passada sobre o suposto repasse, a assessoria de Lula já havia declarado que é falso, leviano e até criminoso atribuir ao ex-presidente qualquer relação com uma conta que não é dele e da qual o ex-presidente nunca teve conhecimento.
O G1 buscava contato com a assessoria de Dilma até a última atualização desta reportagem. Em nota divulgada na semana passada, a ex-presidente declarou ser "fanasiosa a versão de que ela seria beneficiária de uma conta na Suíça" e que Dilma "nunca recebeu qualquer benefício financeiro de Joesley Batista."

G1