Cinco pessoas ficaram feridas depois que uma caminhonete invadiu uma loja no bairro da Vila Embratel, em São Luís, por volta das 19h dessa quarta-feira (31). A informação apurada no local pela reportagem da TV Mirante dá conta que o veículo era conduzido por uma mulher que teria errado no momento da manobra e em vez de diminuir, aumentou a velocidade e bateu em outro carro, que estava estacionado, e depois invadiu o estabelecimento. As vítimas e o delegado de plantão criticaram o procedimento dos policiais militares que atenderam a ocorrência.

Dentro da loja, cinco pessoas foram surpreendidas. O filho da dona da boutique teve ferimentos mais graves e precisou passar por cirurgia no hospital Clementino Moura (Socorrão II).
Delegado Luís Tinoco critica procedimento da PM em acidente na Vila Embratel
O dono da loja ao lado da maior atingida reclamou da postura dos policiais militares do 1º Batalhão que atenderam a ocorrência.

“Conversamos com os policias que falaram que era pra aguardar a perícia. Mas depois disso, o policial disse que ia pra delegacia e se a gente quisesse poderia ir também. Mas pra lá só foram às vítimas, a pessoa que causou isso tudo não foi. Chegando lá, o delegado disse que não poderia fazer nada, pois os policiais militares já teriam feito tudo por lá”, disse uma das vítimas.
As vítimas disseram que a postura dos policiais foi essa por conta da relação entre a condutora, que não foi localizada, e um sargento da própria Polícia Militar.

O procedimento dos policiais também foi criticado pelo delegado, que não foi comunicado imediatamente. O fato foi pro volta das 19h e a ocorrência só foi levada pelos policiais à delegacia as 23h.

“Achei estranho, pois não trouxeram o veículo e eu não quis nem ouvi-los. Disseram que não tinham reboque e o que não falta é reboque na cidade porá recolher carro irregular. Não fui comunicado. Chegaram dizendo que as vítimas estavam todas em casa e depois eu fiquei sabendo que as vítimas ainda estavam no hospital”, disse o delegado Luís Tinoco, que estava de plantão na área de Itaqui-Bacanga.

O G1 Maranhão pediu esclarescimentos e aguarda posicionamento do comando da Polícia Militar do Maranhão.

G1 Ma