PlayWebTV

Pela oposição, despontam como pré-candidatos ao Palácio dos Leões Roberto Rocha e Maura Jorge. Flávio Dino tentará a reeleição

Cenário político do Maranhão para eleições de 2018 começa a ser desenhado
POLÍTICA



A retirada de sigilo da Lista Fachin na Lava Jato mexeu no cenário eleitoral e, ainda que um ano e três meses seja muito tempo nos parâmetros políticos, a configuração para 2018 já começou a ser rascunhada. Pelo menos na corrida pelo Palácio dos Leões.
Com o medo e impossibilidade da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) entrar na disputa pela alta rejeição somada aos processos por corrupção, e com a possibilidade iminente do governador Flávio Dino (PCdoB) ser investigado e se tornar réu no maior esquema de ladroagem e propinagem do país, a eleição do ano que vem para o governo estadual promete ser acirrada.
Além do próprio comunista, que apesar de pilhado pela Odebrecht garante concorrer à reeleição, já se manifestaram a vontade de concorrer ao cargo a ex-deputada estadual Maura Jorge (PTN) e o senador Roberto Rocha — que ainda não fechou causa se vai ser mesmo pelo PSB ou pelo PSDB.
Enquanto Flávio Dino tem se aproximado de políticos e lideranças por meio de eventos oficiais para entrega de equipamentos e serviços públicos, os dois adversários vêm apostando no corpo a corpo pelo interior e abusam das redes sociais para se manter vivos no jogo.

Flávio Dino

Provável nome com maior força na disputa pelo fato único de estar sentado na máquina e saber fazer bom uso desta, Dino é, também, a principal incógnita do próximo pleito, por não haver certeza se ele terminará ou não o mandato e se concorrerá à reeleição — mesmo que atualmente afirme que sim, para as duas coisas.
Citado na Operação Lava Jato pelo delator José de Carvalho Filho, o comunista é alvo de um pedido de investigação da Procuradoria-Geral da República (PGR) no Superior Tribunal de Justiça (STJ), por autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), por suspeitas de que tenha participado do esquema de corrupção da Odebrecht recebendo dinheiro por fora em troca de favores para a empresa. A aceitação desse pedido, somada a possibilidade de oferecimento de denúncia pela PGR, definirá se ele pode ou não virar réu e permanecer no cargo.
Nessa eventual situação, ele pode lançar o prefeitos de São Luís ou de Ribamar, Edivaldo Holanda Júnior e Luis Fernando Silva, ou ainda o presidente do Procon, Duarte Júnior, para substituí-lo. Caso seja obrigado a isso, e o ungido seja Edivaldo ou Luis Fernando, eles terão de deixar o PDT e PSDB e entrar no PCdoB. Duarte já é, oficialmente, comunista.
Por outro lado, caso se livre dessa nódoa, a força dos Leões já o deixa literalmente na agenda do principal nome para comandar o Estado, por meio de seu grupo, pelo mesmo tempo em que clã Sarney controlou o estado.

Maura Jorge

Ex-deputada estadual por pelo menos quatro mandatos e ex-prefeita do município de Lago da Pedra por duas vezes, a pré-candidata do PTN é, na verdade, a única dos três que já faz campanha aberta pelas cidades do Maranhão.
Conhecedora do caminho das pedras, de maior carisma que os outros dois e articulação e tirocínio político capaz de fazer toda uma população carregá-la nos braços e deixar o governador falando sozinho em praça pública, Maura Jorge caminha para as urnas, até agora, a única mulher na disputa.
Pesa contra ela apenas o fato de que precisa mostrar a habilidade que possui para ampliar seu peso partidário, já que a legenda em que é filiada ainda é nanica.

Roberto Rocha

Roberto Rocha, por sua vez, carrega o forte discurso de que pretende realmente implantar no estado a Mudança prometida aos maranhenses em 2014, quando ainda era aliado de Flávio Dino — e não a de perseguição, arrocho salarial, tentativa de censura à imprensa, aumento descontrolado de impostos e continuísmo de gastos com coisas supérfluas e propaganda, “mudança” conhecida tanto por quem não apostou como por quem apostou na implantação do regime comunista no Maranhão.
O socialista tem ainda o trunfo de ser conhecedor não somente dos 217 municípios maranhenses, mas de ser especialista em dados, números e estatísticas de todo o estado.
Contra ele, porém, pesa o fato de que, embora pregue por onde passa que a sua principal plataforma política é unir o Maranhão e superar a dicotomia Sarney versus anti-Sarney, Rocha ainda não conseguiu se firmar como terceira via em razão de não decidir por qual partido disputará a eleição. Essa demora, além de dificultar a formação de um grupo em torno de seu nome, tem provocado na população a desconfiança de que o [ainda?] socialista possa realmente sair candidato a governador contra Flávio Dino ou, se sair, na falta de outro nome competitivo, será a opção adotada pela oligarquia Sarney para o pleito.
Atual 7

0 comentários