Na imagem Vereador Sargento Moisés ao centro, rebate ataques de Thays Coutinho e Jerônimo na tribuna da Câmara em Caxias.  


A Câmara Municipal de Caxias foi palco de embates calorosos na sessão desta quarta-feira(10), entre vereadores governistas e oposicionistas. O clima esquentou, Thays, e Jerônimo frustraram suas tentativas através de uma votação vencida pela maioria que foram contra a realização de uma audiência pública para um tema que já está previsto com o conselho municipal de saúde em outra ocasião pré-definida. De forma agressiva e desrespeitosa, o vereador "em cima do muro" Jerônimo, usou a tribuna para lançar sua ira sem fundamento contra a Secretária de Saúde Socorro Coutinho, só porque o mesmo não conseguiu faturar além da produção que a APAE hoje oferece.

Após a gritaria desesperada de Jerônimo no grande expediente, o vereador Sargento Moisés fez com coerência o uso da palavra desmascarando o discurso distorcido de Thays Coutinho e desmentiu Jerônimo após tentar ludibriar os fatos. "Não é de minha surpresa ver uma platéia lotada após os ataques e ver muitos se ausentarem, logicamente até orientados, eu entendo como é que é isso. É muito apropriado parar depois de seu discurso, diversas pessoas que tem interesse de ouvir o governo, se retirarem da sala, que não querem ouvir a verdade e não quer que as outras pessoas ouçam." disse Moisés.

Moisés se referiu quando Jerônimo tentou colocar a platéia "orquestrada" por ele contra a Secretária de Saúde, Dra. Socorro Coutinho, mas para os analistas políticos presentes na sessão "teatral" promovida por Jerônimo, tudo não passaria de uma chantagem que o edil estaria fazendo contra o prefeito, com o intuito de barganhar em cima dos recursos disponibilizados para entidade que comanda.

A vereadora Thays Coutinho reconheceu em seu discurso que "o governo do tio e do primo não foi bom, mas que apenas queria uma audiência pública para ver a produção não só do município, mas também do Estado e tentou massagear o ego do vereador Catulé ao agradece-lo por não cuspir no "prato que comeu" na tentativa de cooptar o presidente quem sabe de volta para o seu o grupo.

Ao pedir a parte na fala de Moisés, o vereador Durval questionou "porque o governador arcava com 80% da folha de pagamento da UPA e hoje não manda mais sem um sinal e quem estaria salvando Caxias na área da Saúde seria o FPM(Fundo de participação do Município).

Durval indagou ainda que "Jerônimo teria faturado para a APAE até nos dias de hoje, e que o vereador teria recebido em favor da entidade, mas, que a secretaria de Saúde paga a fatura de acordo com a produção. Frisou que a nova gestão vem cumprindo os repasses a risca, contrário da gestão anterior que ainda de acordo com Durval, o parlamentar teria ficado sem receber recursos da entidade em dezembro de 2016 e ficou calado porque ?', reforçou o parlamentar.

Após diversos discursos foi levantado a possibilidade de se fazer uma auditoria nas contas da APAE em Caxias.

Com espírito de liderança de governo, o vereador Sargento Moisés arrancou aplausos da platéia lotada quando disse que "primeiro vou me posicionar a respeito da indicação do prefeito, eu não considero como farpas defender o governo, porque o discurso dos HIPÓCRITAS que ACHAM QUE SÓ SE DEFENDE A POPULAÇÃO QUANDO ATACAM O GOVERNO, é mostrando buraco, é falando mal da saúde do município, mas da saúde do Estado não falam, entre outras coisas, mas se sentem bem falando do governo, sendo que o governo está empenhado em recuperar o que aqueles que tiveram oportunidade não fizeram", finalizou Moisés.



Direto da redação do Blog Os Dois Lados da Moeda