Guindaste que suspende a comporta e permite a troca de água na barragem do Bacanga, em São Luís (Foto: TV Mirante)


Dois anos após o desabamento da principal comporta da barragem do Bacanga, em São Luís, as obras de recuperação emergenciais ainda não foram concluídas. A barragem têm como função a regulagem da água do mar e evita o alagamento de bairros como Coroadinho, Sá Viana e Vila Embratel. A obra orçada em mais de R$ 7,5 milhões teve inicio logo após a ruptura da estrutura.

Os reparos incluem a urbanização da barragem que liga o centro de São Luís à área Itaqui-Bacanga, com o reforço das estruturas nos dois sentidos. Contudo, essa etapa ainda não começou. Por enquanto, um guindaste que suspende a comporta é que permite a troca de água.

O prazo pra entrega da obra já foi adiado, pelo menos, duas vezes. Em nota, a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) afirma que a recuperação da barragem só deve ser concluída no fim deste primeiro semestre, pois passa pelo processo de montagem das comportas. O prazo final de recuperação da barragem é até 25 de junho.

Obra começou após determinação da Justiça (Foto: TV Mirante)


Relembre o caso

A Justiça determinou que o Estado do Maranhão efetue em um prazo máximo de um ano a despoluição e recuperação das águas da barragem do Bacanga. O estado também deverá elaborar um plano de manejo para a renovação constante das águas e plano de contingência que determine o funcionamento permanente das comportas.

O governo do Maranhão terá o prazo de 90 dias para a entrega do cronograma das atividades de realização do enquadramento.
A decisão é baseada em uma Ação Civil Pública (ACP) solicitada pelo o Ministério Público do Maranhão (MP-MA) que constatou através de provas coletadas que a barragem do Bacanga sofre com o contínuo despejo “in natura” de grande volume de esgoto doméstico e de lixo.

G1 Ma