Vereador Magno Magalhães alertou do risco de doenças 
no período de chuvas. 

Na sessão desta quarta-feira (08) na Câmara Municipal de Caxias, os vereadores que fizeram uso da palavra se destacaram por abordar assuntos de interesse da comunidade, como bem disse Jerônimo Cavalcanti ao registrar o bom andamento da sessão: “... trazendo os problemas da comunidade para dentro desta Casa e aí que nós vamos contribuir com o prefeito de Caxias, trazendo os problemas da nossa comunidade”, comentou ele acrescentando que esse “é o papel do vereador”.

A constatação de Jerônimo deu-se no final da sessão e quando os presentes já tinham ouvido o importante discurso do vereador Magno Magalhães que, de forma didática, detalhou os riscos que nossa cidade está correndo, nesse período de chuvas, com a proliferação de doenças transmitidas por mosquitos. “Estive visitando algumas vezes o CCZ – Centro de Zoonozes, e lá discutimos sobre epidemias que podem voltar a partir desse período chuvoso. Infelizmente, os casos de dengue, chikungunya e zika podem ser assustadores”, alertou Magalhães ressaltando que o risco dessas doenças na cidade não é de responsabilidade apenas da antiga administração, “mas das gestões passadas”.

Magno também revelou que Caxias é hoje área de risco para doença de chagas, enfermidade transmitida pelo barbeiro e que pode matar. “Pra nossa surpresa, existe projeto na Funasa que trata justamente da substituição de casas de taipa por casas de alvenaria”, revelou o parlamentar que já manteve contato com o diretor do CCZ de Caxias para que o município reivindique recursos federais para substituição das residências que oferecem risco de proliferação do 
Trypanossoma cruzi (barbeiro). “O que me preocupa é a não documentação, a falta de dados do principal centro de controle de doenças, que é o CCZ”, lamentou o vereador. “E eu, como agente público de saúde, como médico, fiquei extremamente preocupado, por que pra nós chegarmos a essa conclusão, temos que fazer um inquérito epidemiológico, temos que mapear as casas, as localidades que tem a incidência de barbeiro para que nós tracemos um plano para construção de moradias”, explicou o vereador que disse ainda que é preciso, urgentemente, “gerar dados para a Funasa para que possamos lutar para esse projeto [de substituição de casas de pau-a-pique por casas de alvenaria]”.

“Malária ronda Caxias”

“Outra problema que também me deixou extremamente preocupado é que Caxias é região limítrofe de malária”, revelou ele informando que a doença já foi registrada próxima a zona rural do município: “a malária já chegou beirando Caxias, naquela região da Tapera Grande (povoado da zona rural) entre Caxias e Codó e é mais um problema que não podemos deixar passar”.

Finalizando o discurso, o vereador ressaltou que o investimento na prevenção dessas doenças deve ser feito rapidamente a fim de evitar consequências futuras. “Saúde pública deve ser feito um investimento contínuo para evitar um dano maior”, finalizou.

Fonte: Blog do Sabá