Vereador Mário Assunção tem se sentido desprestigiado pelo funcionalismo público. 


O vereador Mário Assunção que foi detentor de uma das maiorias influências, se não a maior durante o governo do ex-prefeito Léo Coutinho no quesito "indicações", agora ver em seu novo mandato a falta de força política de outrora, onde neste ano chegou a alegar no uso do pequeno expediente em sessões passadas, um certo desconforto por parte dos novos e antigos funcionários públicos que não estariam mais lhe dando atenção já na gestão do prefeito Fábio Gentil.

Talvez o nobre vereador não queira enxergar que os tempos agora são outros, e que terá que enfrentar 4 anos de "VACAS MAGRAS", para defender seu líder "manda chuva" Humberto Coutinho, caso queira mesmo, quem sabe um dia, ser indicado pelo grandão à sucessão couthiniana, para depois realizar seu ambicioso sonho de ser prefeito de Caxias.

Acostumado a usar as artimanhas regimentais da casa do povo quando situação, Mário Assunção antes era protegido "debaixo dos braços" da então vereadora Ana Lúcia Ximenes. Mário estaria se sentindo um mero "domesticado" diante do hoje "Leão" governista Catulé, veterano esse que mesmo sendo firme com o poder que detém, deixa Mário e outros ditos oposicionistas livres para suas estratégias ou lamentações quando usam os microfones tanto no pequeno, como no grande expediente, pois o que está faltando para os ex-mandatários e ex-influentes do legislativo é força política na atual conjuntura.

O que estaria faltando para o vereador talvez seria prestígio, pois HC até o momento teria fechado todas as "torneiras" para que mais um mau acostumado apele a um celular na mão ou igual ao vereador Jerônimo que foi flagrado com a mão na cabeça durante a sessão como uma forma dos mesmos suportassem essa impotência política para os próximos 4 anos.

Salve-se quem puder...