Ferreira Gullar também já esteve no Festival (Foto: Organização Flipoços)Ferreira Gullar também já esteve no Festival (Foto: Organização Flipoços)
















"E eu perco um grande amigo", completou o ex-presidente José Sarney.
Poeta maranhense morreu neste domingo (4), no Rio de Janeiro.


Após a morte do poeta e dramaturgo, Ferreira Gullar, aos 86 anos, alguns intelectuais e amigos pessoais do maranhense prestaram condolências. Um deles foi o ex-presidente do Brasil, José Sarney. Ao G1, Sarney comentou que Gullar foi um dos responsáveis pelo início de sua vida intelectual.
"É um grande poeta, um grande intelectual que marcou o início de minha vida intelectual, chefiando com os irmãos Haroldo Campos, o Movimento Concretista. Pessoalmente perco um grande e o Brasil o seu maior poeta", declarou.
Quem também falou ao G1 sobre a morte do poeta foi o presidente da Academia Maranhense de Letras, o advogado e jornalista Benedito Buzar. Segundo ele, a morte de Ferreira Gullar deixam enfraquecidas as literaturas maranhense e brasileira.
“Ele é um dos maiores poetas, não só maranhense, mas de todo o Brasil. Ferreira Gullar é, talvez, hoje, uma das maiores figuras da poesia brasileira. O Brasil perde um grande intelectual. Um homem que tinha uma grande expressão dentro do quadro da cultura brasileira. O Maranhão não pode deixar de lamentar a morte dele, porque a literatura do Maranhão e do Brasil estão fragilizadas”, revelou.
'Imortal' da Academia
Nascido José de Ribamar Ferreira em São Luís (MA), em 10 de setembro de 1930, Ferreira Gullar cresceu em sua cidade natal e decidiu se tornar poeta na adolescência. Com 18 anos, passou a frequentar os bares da Praça João Lisboa e o Grêmio Lítero-Recreativo da cidade. Aos 19 anos, descobriu a poesia moderna depois de ler Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira.
Gullar é um dos maiores autores brasileiros do século XX e foi eleito "imortal" da Academia Brasileira de Letras (ABL) em 2014, ocupando a cadeira nº 37. Segundo o jornal "O Globo", o escritor estava internado no Hospital Copa D'Or, na Zona Sul do Rio, por complicações pulmonares. A partir de um quadro de pneumotórax, Gullar desenvolveu uma pneumonia.
Ferreira Gullar toma posse na Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (5). O mais novo 'imortal' vai ocupar a Cadeira 37, que pertencia ao poeta e tradutor Ivan Junqueira, morto em julho deste ano. (Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo)Ferreira Gullar toma posse na Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (5). O mais novo 'imortal' vai ocupar a Cadeira 37, que pertencia ao poeta e tradutor Ivan Junqueira, morto em julho deste ano. (Foto: Fábio Motta/Estadão Conteúdo)
G1 Ma