Imagens da câmera de segurança revelam Lucas Porto esteve no dia do crime de Mariana Costa (Foto: Reprodução/G1MA)Imagens revelam as roupas de Lucas Porto no dia do crime (Foto: Reprodução/G1MA)

Roupas estavam em apartamento no mesmo condomínio de Lucas. Prazo para concluir o inquérito vai até a próxima quarta-feira (23).
17/11/2016 09h37 - Atualizado em 17/11/2016 13h49

As roupas usadas pelo empresário Lucas Porto, 37 anos, no dia do homicídio contra a sobrinha-neta de Sarney, a publicitária Mariana Costa, 33 anos, foram entregues, na tarde dessa quarta-feira (16), à Polícia Civil do Maranhão pelos próprios parentes do assassino confesso. Desde segunda-feira (14), os policias estavam à procura deste material para reforçar as provas na investigação. Ele é cunhado da vítima.
Mariana Costa, 33 anos, foi encontrada morta na tarde de domingo (13) no quarto de seu apartamento, no bairro Turu, em São Luís. Ela ainda chegou a ser socorrida e levada para um hospital, mas não resistiu e morreu. A filha do ex-deputado estadual Sarney Neto e sobrinha-neta do ex-presidente da República e senador José Sarney foi morta asfixiada com um travesseiro. Principal suspeito do caso, Lucas Porto foi preso logo depois do crime. Logo no início das investigações, ele negou ser o autor do crime. No entanto, acabou confessando na quarta-feira (16) em depoimento na Superintendência de Homicídio e Proteção a Pessoa (SHPP). A motivação seria uma atração que ele tinha por Mariana.
As peças, uma camisa branca e uma calça jeans azul, estavam no próprio condomínio onde Lucas Porto mora e é o síndico, no bairro Ponta d’Areia, em São Luís (MA). Desde segunda-feira os policiais buscavam as roupas, mas sem sucesso. Parentes de Lucas Porto disseram que as encontraram em um apartamento que não está sendo utilizado e pertence ao pai do acusado.
“A própria atitude do Lucas em esconder as roupas demonstra sua culpabilidade. Ele escondeu as roupas num apartamento que pertence a sua família e que ficava no andar superior ao que ele reside. Esse imóvel estava desocupado”, explicou o delegado-geral da Polícia Civil do Maranhão, Lawrence Melo.
Condomínio onde Lucas Porto morava e escondeu as roupas usadas no dia do homicídio de Mariana Costa, em São Luís (MA) (Foto: Reprodução/TV Mirante)Condomínio onde Lucas Porto escondeu as roupas usadas no homicídio (Foto: Reprodução/TV Mirante)
De acordo com as investigações policiais, depois de sair do apartamento de Mariana Costa, ele trocou de roupa e voltou para junto da família para demonstrar apoio. Chegou a levar uma psicóloga para as filhas da vítima e, antes de conseguir sair novamente do condomínio no Turu, foi impedido pelos policiais, ainda na noite de domingo (12), dia do crime.
“As roupas se somam a todo o conjunto probatório. Serão periciadas em busca de vestígios. Os exames periciais realizados também tem grande importância na formação da convicção jurídica dos fatos”, disse o delegado.
O delegado-geral Lawrence Melo disse ainda que há possibilidade de que haja reconstituição dos fatos do dia do crime. “Depende da avaliação que os delegados que presidem o inquérito farão sobre a análise de todas as provas”, concluiu Lawrence Melo.
O prazo para concluir o inquérito vai até a próxima quarta-feira (23). Antes, os investigadores devem receber laudos para que tenham o reforço das provas periciais para elucidar por completo o crime.
Confissão
Lucas Porto confessou, nessa quarta-feira (16), que matou Mariana Costa. Porto era cunhado da vítima. A motivação seria uma atração que ele tinha por Mariana. As informações foram divulgadas pelo secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela, em entrevista coletiva.
“Houve violência de natureza sexual. Esta foi à manifestação dele. Negou no primeiro momento a autoria do crime, mas declinou agora. Contudo, não muda nada na ação da polícia. Tudo que estava previsto para ser feito vai ser feito. Ele disse que tinha paixão incontida pela cunhada. Mas seguimos com as investigações”, afirmou o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela.
Homicídio
Mariana Menezes de Araújo Costa Pinto foi encontrada morta na noite desse domingo (14), em seu apartamento, no nono andar de um condomínio, na Avenida São Luís Rei de França, no Turu, em São Luís (MA). Ela é filha do ex-deputado estadual Sarney Neto e sobrinha-neta do ex-presidente da República e senador José Sarney. Ela foi morta por asfixia.
O velório de Mariana foi na Igreja Batista do Olho d'Água (IBOA), no bairro Olho d'Água, e o sepultamento foi no cemitério Parque da Saudade, no Vinhais, na segunda-feira (14). Mariana era casada e tinha duas filhas, ainda crianças
Fonte: G1 Ma.