ENTRE A CRUZ E A ESPADA: Prefeito eleito Fábio Gentil tenta não desagradar os "dois lados" para cumprir sua palavra e ter a maioria na Câmara respectivamente. 


Quase um mês após ser eleito prefeito de Caxias, Fábio Gentil (PRB) não teve um minuto de sossego e tranquilidade para definir seu 1º escalão do governo, tudo porque as ilações em torno de sua equipe, aponta para um cenário meticuloso ao delinear seu futuro secretariado.

O problema não são os nomes e sim a quantidade de correligionários que vestiram e suaram a camisa durante a campanha e hoje aguardam ansiosos pela definição de um lugar ao sol no governo gentiliano.

Nos bastidores, surgem comentários a todo instante, há quem diga que parece uma bolsa de apostas para saber quem de fato serão os escolhidos do Cabeludo e estarão sorridentes na foto da posse.

Mas, no meio de tanta incerteza e indefinição, muitos já serão preteridos antes mesmo do início da nova gestão, afinal, o próprio prefeito eleito teria dito para os mais próximos, da necessidade de fazer uma redução no secretariado, desta forma, vai faltar espaço para tanta gente que já brada pelos quatro cantos da cidade a autonomeação.

Mas, vamos aos possíveis postulantes...

Na Saúde, FG encara seu primeiro imbróglio. Cotado para assumir a pasta, Dr. Ermano viu a condição de parentesco com FG cair por terra e Dr. Helton surgir como possível assegurado. O irmão Mesquita, que também é militar e foi candidato a vereador pode acabar ficando na Secretaria de Segurança.

Para o Esporte Tom Dumont tem o nome dado como quase certo e na Educação, acende a possibilidade do catedrático professor Aluizio Bittencourt de Albuquerque, ex-Diretor do CESC/UEMA, que por sinal vem a ser irmão do vereador reeleito Catulé, outro que milimetricamente tabulou a campanha vitoriosa de Gentil e teria ainda a probabilidade de assumir a Fazenda(caso não lute pela presidência da Câmara).

Ainda nos bastidores, dão conta que a Primeira-dama Sra. Letícia poderia ser indicada para Secretaria da Mulher e a atual vereador Taniery para a Assistência Social, ou talvez, integrar o núcleo jurídico do município.

Indefinição também na Cultura, com pelo menos três nomes: Márcia Santos, Renato Meneses e Arthur Quirino.

Para o Meio Ambiente nada mais justo do que alguém do Partido Verde – PV, neste caso a líder comunitária Ângela Machado poderia surgir por lá(Ou até mesmo Fernando Amorim que teria ventilado ter uma certa liderança na sigla).

A família Queiroz, que substancialmente esteve na campanha, deve ser lembrada por Fábio Gentil na hora de dividir cargos, e duas são as apostas, na Secretaria de Trânsito e Transporte ou até mesmo a Secretaria de Indústria e Comércio a ser recriada na próxima gestão.

Fala-se também que o SAAE, uma das autarquias mais importantes da municipalidade poderá parar nas mãos do ex vice-prefeito Zé Miguel(Nomes como Talmir teria sido ventilado, e um possível rompimento de Fause Simão com HC caso fosse presenteado com a autarquia).

Já o vice-prefeito eleito Paulinho, pode aportar na Secretaria de Obras e Infraestrutura ou ainda no Gabinete com uma função estadista, (Catulé Jr em uma função institucional e Adenilson na procuradoria do Município).

O ex-delegado estadual do MDA, na gestão da Presidente Dilma, Ney Jefferson tem se assemelhado com a pasta da Agricultura e quem sabe também a Secretaria do Trabalho.

Olhando assim parece tudo fácil, mas não se engane, ainda tem muita gente esperançosa para constar na lista do Cabeludo, principalmente no 1º escalão, onde o faz-me rir saltita aos olhos.

Nomes como Benvinda, Dra.Kelma, Ricardo Rodrigues, Totó do Peixe, Professor Didi, e tantos outros, precisam saber onde estarão nessa composição administrativa a partir de janeiro.

Não bastasse uma tarefa um tanto quanto espinhosa, é bom lembrar que Fábio Gentil ainda negocia a peso de ouro com vereadores integrantes do atual governo, uma forma de garantir maioria no Parlamento e ter a possibilidade de uma governabilidade controlada.

Por ouro lado, Fábio Gentil precisa saber negociar com os dois lados, pois transformar opositores em aliados pode desagradar os atuais aliados e transformá-los numa futura oposição, afinal, ninguém agrada a todos, muito menos sem ter onde agasalhar um mundaréu de subservientes a perder de vista.

Uma coisa é certa, com tanta pressão por indicações e se não houve uma jogada de mestre, Fábio Gentil ainda vai perder muitas noites de sono para definir seu quase ‘novo governo municipal’. 



Edição nos:() Jornalista de Política Análio Jr(MTE: 0001413/MA)