Deputados condenam abandono da BR-135 e fazem minuto de silêncio por vítimas de acidente
O acidente que matou oito pessoas do município de Humberto de Campos, no Capo de Perizes (BR-135), foi o principal tema da sessão desta segunda-feira (4), da Assembleia Legislativa. Diversos deputados voltaram a condenar o abandono da rodovia federal, por conta na lentidão na obra de duplicação, e fizeram um minuto de silêncio em memória às vítimas, por solicitação do deputado Eduardo Braide (PMN).
Depois de Braide condenar o Governo Federal, por haver praticamente abandonado a duplicação da BR-135, foi a vez do colega de plenário, César Pires (PEN), também fazer duras críticas contra a situação e se solidarizar com os familiares das vítimas. Pires contou que presenciou a cena após o acidente, ao fazer um pronunciamento emocionado.
Outro que fez um duro discurso foi o deputado Raimundo Cutrim (PCdoB), que defendeu uma reação imediata da população maranhense. Todos defenderam a união das bancadas de deputados estaduais e federais, com os senadores e o governador Flávio Dino (PCdoB), em busca da garantia de que o Governo Federal finalmente finalize as obras de duplicação da BR e assim evite novas mortes. Todos defenderam nova visita a Brasília, em busca de uma solução para o problema.
O deputado Bira do Pindaré (PSB) foi outro a tratar do assunto e disse que é uma situação que constrange a todos e que de maneira recorrente a Casa, por várias vezes, já tentou intermediar, sem sucesso, a resolução do problema. “E a gente vive esse constrangimento, essa vergonha de ter que lidar com situações extremas como essa, de uma tragédia que leva oito vidas de uma única vez”, lamentou.
Os deputados Cabo Campos (PP), Wellington do Curso (PP), Júnior Verde (PRB), Vinícius Louro (PP), Souza Neto e Adriano Sarney também fizeram discursos veementes contra a situação.  Souza Neto, por exemplo, chamou a BR-135 de estrada da morte e defendeu que o governador chama a responsabilidade de buscar um entendimento junto ao Governo Federal para a finalização da oba. Já Adriano Sarney (PV) disse que a pressão maior deveria vir da bancada federal e ela deveria ser responsabilizada por este tipo de acontecimento.
No final, o presidente Humberto Coutinho (PDT) informou que soube extra oficialmente que, nesta terça-feira (5), três empresas iriam retomar o trabalho de duplicação e sugeriu a formação de uma comissão para ir junto ao DNIT saber se a história é verdadeira.