Julio Ugarte Espinoza, pai de Julio Cesar Espinoza, morto após perseguição policial (Foto: TV Globo/Reprodução)

Julio César Alves Espinoza, de 24 anos, foi baleado na cabeça.
Carro que ele dirigia tinha multas e jovem não parou após ser abordado.

Do G1 São Paulo
O pai do jovem que foi baleado na cabeça após perseguição na madrugada de segunda-feira (27) criticou os policiais envolvidos na ação. "Eles não têm capacidade de pegar os bandidos, eles acham que todo mundo é bandido, eu posso fugir mas não sou bandido. Tem que ter a capacidade para pegar", disse Julio Ugarte Espinoza, segundo o SPTV.
Julio César Alves Espinoza, de 24 anos, teve morte cerebral constatada. Este é o quarto caso de morte em perseguições policiais neste mês na Grande São Paulo.
Segundo seu pai, o jovem voltava para casa, às 3h de segunda, depois de trabalhar num buffet na Avenida Goiás, em São Caetano do Sul, no ABC. O jovem fazia faculdade de tecnologia no ABC. De acordo com a Polícia Militar, o estudante não obedeceu a uma ordem de parada na avenida Presidente Wilson, na Zona Leste de São Paulo.
A perseguição seguiu pela Guido Aliberti e Avenida dos Estados e só terminou na Rua Guamiranga. O carro foi atingido com 16 tiros e o rapaz levou um tiro na cabeça. Ele foi socorrido e levado ao Hospital da Vila Alpina, onde teve morte cerebral constatada.
"A delegada me disse que tinha arma e deu tiro de dentro para fora. Está usando isso para se salvar. Acha que todo mundo é bandido", disse Julio Ugarte Espinoza.
A família diz que Julio Cesar fugiu da polícia porque o carro não estava licenciado. “O carro tinha umas cinco ou seis multas. Meu filho estava revoltado. Ele me disse: ‘Se a polícia me parar, eu não vou parar’.”
Outros casos
Este mês foram pelo menos quatro casos na região metropolitana de perseguições que terminam com morte.
No começo do mês um menino de 10 anos foi morto na Vila Andrade. Na sexta-feira passada um adolescente de 15 foi assassinado na Zona Leste. Na mesma região, um outro menino de 11 anos também foi morto a tiros por guardas civis no fim de semana. Os dois meninos e o adolescente estavam em carros furtados.
A Ouvidoria das Polícias diz que, entre 2010 e esta segunda-feira (27), 191 crianças e adolescentes morreram em possíveis confrontos com policiais. Destes, 10 não tinham nem 14 anos e 181 tinham entre 14 e 16 anos
“É um número injustificável. Temos que levar ao comando da PM para que eles vejam e revejam o que está acontecendo”, disse o ouvidor Julio César Neves.
Números de mortes por policiais segundo a Ouvidoria das polícias de São Paulo (Foto: TV Globo/Reprodução)
O pai do menino morto por um guarda-civil disse que não acredita que o filho e os amigos tenham atirado. “Não atiraram no meio atiraram pra assustar atiraram pra matar como e que um policial atira no vidro certeiro onde estava o meu filho.”
O guarda-civil Caio Muratori disse que alguém do carro atirou primeiro. Ele revidou tentando acertar o pneu. O guarda pagou fiança e foi liberado. Os dois GCMs que estavam na viatura com Caio não souberam dizer se houve tiros vindos do carro suspeito e se os outros ocupantes, que fugiram estavam armados.
No boletim de ocorrência, os peritos afirmaram que não houve disparos de dentro para fora do carro.
A Ouvidoria diz que vai acompanhar as investigações sobre a morte de Julio César. A Secretaria de Segurança Pública instaurou inquérito pra apurar o caso. Disse que os policiais terão acompanhamento psicológico e a conduta deles será examinada no inquérito policial militar. Se houver irregularidade, a Corregedoria passará a investigar o caso. A Prefeitura de Santo André abriu um procedimento administrativo interno e a corregedoria da guarda civil vai apurar a atuação dos agentes.
Fonte: G1