PlayWebTV

Nem Dino e nem Sarney, Wellington se consolida como terceira via em São Luís
POLÍTICA


Exata/TV Guará/Fiema aponta pré-candidato do PP com 21% da preferência do eleitorado. Se levado em conta a margem de erro, Wellington pode estar em primeiro lugar na pesquisa

Pesquisa Exata/TV Guará/Fiema, divulgada neste sábado 18, confirma o deputado estadual e pré-candidato a prefeito de São Luís, Wellington do Curso (PP), consolidado como terceira via na disputa.
De acordo com o levantamento, que ouviu 800 eleitores do sexo masculino e feminino, entre os dias 13 e 16 de junho, Wellington já aparece com 18% da preferência do eleitorado ludovicense em um dos cenários da estimulada, onde os entrevistados recebem uma lista para que escolha uma alternativa, ameaçando a hegemonia de Eliziane Gama (PPS) e Edivaldo Holanda Júnior (PDT), empatados rigorosamente com 23%, cada, das intenções de votos.
Em outro cenário, quando Edivaldo e Eliziane também aparecem empatados com 25%, cada, o pré-candidato a prefeito de São Luís pelo PP apresenta desempenho de 21% das intenções dos votos.
O resultado pode ser o reflexo do trabalho que Wellington vem desenvolvendo como administrador e parlamentar, como também por ser o único na corrida eleitoral deste ano a não contar, publicamente e nem nos bastidores, com o apoio do governador Flávio Dino (PCdoB) ou do ex-senador José Sarney (PMDB-AP), quebrando, pela primeira vez na histórica política da capital, com a fadada dicotomia sarney/antisarney, que sempre imperou do debate eleitoral.
Além disso, um outro ponto, talvez o mais importante, deve ser analisado no levantamento da Exata/TV Guará/Fiema.
Como a pesquisa tem margem de erro de 4 pontos percentuais para mais ou para menos, Wellington pode estar, inclusive, nos dois cenários, em primeiro lugar, respectivamente, com 22% da preferência do eleitorado contra 19% de Edivaldo e Eliziane; ou 25% das intenções de votos contra 21% dos adversários.
A pesquisa Exata/TV Guará/Fiema foi registrada na Justiça Eleitoral com o número MA-00024/2016, e possui um intervalo de confiança de 95%.

Fonte: Atual 7

0 comentários