Aconteceu na manhã desta quarta-feira (06), na sede do Tribunal Regional do Trabalho, na Cidade do Judiciário, a audiência de conciliação que tentou resolver o imbróglio entre os trabalhadores da Agrimex  o Grupo João Santos.

Em frente ao prédio do TRT, funcionários que estão em greve há mais de 20 dias exibiam cartazes e faixas com frases reivindicando o pagamento de 3 meses de salários atrasados, férias, 2ª parcela do 13º salário e a suspensão dos planos de saúde e odontológico. 

Os trabalhadores vão continuar em greve e irão continuar acampados na frente da sede das indústrias, pois a esperada decisão em favor da categoria por intermédio da Justiça Trabalhista não aconteceu. 

O presidente do Sindicato dos Papeleiros de Coelho Neto, Mariano Crateus, que participou de uma audiência com a juiza do trabalho, disse que as principais reivindicações, o pagamento dos salários atrasados, ferias, quitação da 2ª parcela do 13º salário. "Não houve resposta digna aos trabalhadores (as), O movimento grevista vai ser mantido e estendido por tempo indeterminado, até o pagamento dos trabalhadores serem efetuados pela empresa João Santos, que é uma empresa rica, com vários grupos empresariais espalhados em vários estados brasileiros” disse Crateus, acrescentando que no próximo dia 28 de abril uma nova audiência de conciliação será realizada entre o Sinpacel e o TRT. 

Cerca de 55 trabalhadores se deslocaram de Coelho Neto até a sede do Tribunal Regional do Trabalho em Caxias. 


Irmão Inaldo