A Prefeitura de São João do Sóter, por meio da Secretaria Municipal de Segurança e Defesa Social e Secretara de Assistência Social, promoveu no dia 15 de março, no plenário da Câmara de Vereadores, um debate sobre segurança pública. 

Os casos de pessoas em situação de vulnerabilidade, a violência contra a mulher, crianças e idosos e o avanço das drogas no município foram os principais temas motivadores do encontro que discutiu ainda meios de solucionar esses conflitos com a Lei.

A reunião foi intermediada pelo Juiz da Infância e Juventude de Caxias, Antonio Araújo Manoel Veloso. O evento contou com representantes do Executivo, Magistrados, Polícia Militar, OAB, Agentes de Segurança, Polícia Civil, Legislativo Municipal, estudantes de direito e da sociedade civil.

Na ocasião, a comunidade pôde interagir diretamente com as autoridades de segurança da região, dando depoimentos, denunciado e detalhando os problemas no município

“Todas as medidas de prevenção que já estão ocorrendo no município deverão continuar sendo feitas, como blitz e abordagens diárias”, frisou o Comandante do 2º BPM, Tenente-Coronel Ruy Fernandes.



O Juiz Manoel Veloso, enfatizou a importância dos casos de violência chegarem ao conhecimento das autoridades. "A população precisa procurar as autoridades e oficializar as denúncias. Ninguém pode se omitir, pois os casos não notificados não poderão ser investigados pela polícia e conseqüentemente julgados pelo Judiciário"

A Juíza Macela Santana, da 5ª Vara da Comarca de Caxias, sugeriu como alternativa de enfrentamento da situação, o ocupação por parte da sociedade de espaços públicos hoje utilizados pela marginalidade. “É necessário que façamos algo nesse sentido, como a realização de festivais, competições esportivas, mostra culturais dentre outras atividades que mostrem para aqueles em conflito com a Lei, que ali, é o lugar de prática saudáveis. E isso independe da Prefeitura, a própria comunidade pode se movimentar para organizar essas atividades”

Durante a audiência pública, o líder político Clodomir Rocha enfatizou que além de combater a criminalidade e prevenir a violência, é necessário também buscar maneiras de reinserir na sociedade aqueles que estão em conflito com a Lei.

“Sabemos das dificuldades enfrentadas por essas pessoas quando tentam se livrar dessa situação de vulnerabilidade. Portanto, assim como a prefeitura está oportunizando vagas para dez adolescentes que conseguiram vencer o vício das drogas, o Grupo Rocha também dará oportunidade à outras cinco pessoas e faço aqui um apelo aos comerciantes e empresários locais que recebam esses jovens em conflito com a Lei para que sirvam de exemplo de como é importante e possível a suas recuperações” 





Ao final dos debates, foi inaugurada a Sala de Apoio aos dependentes químicos e vulneráveis; anexa ao Casarão da Cultura. “Aqui eles irão trocar experiências, ocupar o tempo ocioso com atividades e reaprender a viver em sociedade. A sala leva o nome de Weynes da Conceição Chaves, um jovem que em decorrência das drogas perdeu a vida e isso nos fez repensar alternativas para evitar que outros jovens também tenham o mesmo destino. Agradeço a todos que estiveram na audiência e reafirmo que a participação da família, tornar-se uma ferramenta indispensável nas políticas públicas de enfrentamento dessa situação”