“Nos dias atuais, o Dia Internacional da Mulher tem uma conotação mais festiva, sentimental e até comercial, como o Dia dos Namorados, Dia das Mães... Mas é importante lembrarmos que este dia nasceu decorrente de um contexto socioeconômico em que o sistema exigia cada vez mais do uso intensivo da mão de obra feminina, sempre em condições desumanas e insalubres, chegando a trabalhar 16 horas por dia. Porém, somente no ano de 1910, durante a conferência da Dinamarca, ficou decidido que 8 de março passaria a ser o DIA INTERNACIONAL DA MULHER em homenagem às mulheres que morreram na fábrica de tecidos em 1857, de forma cruel, na cidade de Nova York, apenas porque reivindicavam condições melhores de trabalho.

Esse preâmbulo é apenas para que possamos enxergar as mulheres em toda sua dimensão. Quando penso nisso, lembro de uma redação de um menino de 10 anos. O professor pediu que os alunos escrevessem um texto com o título “O melhor amigo do homem”. Esse menino escreveu que o melhor amigo do homem era a mulher, pois ela cuidava do homem como se fosse para ela mesma, dividia os problemas, enfim, elencou uma série de razões que justificavam o que ele afirmava na redação. O professor, sensibilizado, perguntou de onde o aluno tirou tanta inspiração. Ele respondeu de pronto: minha mãe.

Enfim, só pessoas imaginadas por Deus, como as mulheres, podem exercer tantos papéis com maestria: ser mãe, esposa, amiga, filha, irmã, trabalhadora. 
Obrigado por vocês existirem!”

Júnior Martins Secretário de Transportes de Caxias