Enterrado corpo de criança de 11 anos morta por padrasto em São Luís (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)Enterrado corpo de criança de 11 anos morta por padrasto em São Luís (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)

Dihulia Viana foi morta durante discussão da mãe com padrasto, em casa.
Suspeito quase foi linchado por vizinhos e já havia sido denunciado.

Do G1 MA
Sob clima de comoção, foi enterrado na manhã desta terça-feira (22) o corpo da menina Dihulia Santos Romão Viana, de 11 anos, assassinada a facadas pelo padrasto – Robson Hélio Costa Silva, de 36 anos – no último domingo (20), em São Luís (MA). O suspeito do crime quase foi linchado pelos vizinhos e já tinha sido denunciado por agressão.
Corpo da criança de 11 anos chegou às 10h10 no cemitério do Gavião (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)Corpo da criança de 11 anos chegou às 10h10 no cemitério do Gavião (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)
A morte aconteceu após uma briga entre o Robson e a namorada, mãe da criança. Na tentativa de defender a mãe, a criança ficou entre o casal e levou oito facadas. A criança chegou a ser socorrida, mas não resistiu. Já o suspeito foi encaminhado ao Hospital de Urgência e Emergência Dr. Clementino Moura (‘Socorrão II’), e está sob custódia da polícia.
Velório reuniu amigos e parentes da criança em São Luís (MA) (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)Velório reuniu amigos e parentes da criança em São Luís (MA) (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)
O velório da criança seguiu pela manhã, na casa do avô, no bairro da Vila Isabel, em São Luísx (MA). Parentes e amigos seguiram em cortejo até o cemitério do Gavião, no Centro da capital maranhense, onde ocorreu o sepultamento.
Parentes e amigos no enterro da menina Dihulia Viana, em São Luís (MA) (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)Parentes e amigos no enterro da menina Dihulia Viana, em São Luís (MA) (Foto: Danilo Quixaba/Mirante AM)
“Graças a Deus, nós temos uma amizade muito grande, tanto dos mais antigos como dos mais jovens. Esse pessoal que está aqui é só de moradores da Vila Isabel e a gente se sente gratificado por isso, pela amizade que a gente tem, que minha família tem, meus filhos, que minha mulher construiu também. Temos muitos amigos, graças a Deus”, disse ao G1 o avô da menina, Raimundo Viana, sobre a grande presença de amigos e vizinhos no velório e enterro de Dihulia.
Nessa segunda-feira (21), a Superintendência Estadual de Investigações de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) informou que o crime vai ser tipificado como feminicídio.
Entenda o caso
Dihulia foi morta nesse domingo (20) no bairro da Vila Embratel, e o suspeito pelo crime é o namorado da mãe da criança. Robson Hélio Rocha Silva, de 36 anos, desferiu golpes de faca na barriga da criança, que morreu ainda no local. Ele foi pego por vizinhos da vítima, e quase foi linchado. De acordo com o Conselho Tutelar do Itaqui-Bacanga, Robson Silva convivia com a mãe e a criança há aproximadamente um mês e 15 dias.
A criança foi encaminhada ao Hospital Municipal Djalma Marques, o 'Socorrão I', no Centro, mas não resistiu. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), e até o início da manhã de segunda-feira (21).
Nesta manhã, família permanecia na porta do IML à espera da liberação (Foto: Reprodução/TV Mirante)Família permanecia na porta do IML à espera da liberação do corpo (Foto: Reprodução/TV Mirante)
Em meio à tragédia, um direito que seria garantido à criança não foi atendido. “Ontem (domingo), nós ligamos para a central da Semcas (Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social), porque quando morre alguém, a única coisa que é garantido através da Louas (Lei Orgânica da Assistência Social) é a urna funerária, que ‘descabivelmente’ não foi atendida essa criança”, disse João Costa, conselheiro tutelar do bairro do Anjo da Guarda – da região da Vila Embratel.
Fonte: G1 Ma