Modelo é aplicado em grandes presídios, como no Complexo de Pedrinhas (Foto: Carlos Ivan / Agência O Globo)Complexo de Pedrinhas (Foto: Carlos Ivan / Agência O Globo)

Organizações de Direitos Humanos denunciam continuidade de violações.
Relatório foi divulgado nessa terça-feira (1º), dois anos após crise.

Do G1 MA
Mais de dois anos após a crise de violência no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís (MA), os governos federal e do Maranhão falharam no cumprimento das medidas aplicadas contra o Brasil em 2013 e 2014 pela Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estado Americanos (OEA). Essa é a constatação do relatório ‘Violação continuada: dois anos da crise em Pedrinhas’, divulgado nessa terça-feira (1º).
O relatório – criado com informações obtidas após inspeções realizadas pela Conectas, Justiça Global, Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) e Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil do Maranhão (OAB-MA) entre os anos de 2014 e 2015 – diz que apesar da redução do número de mortes no Complexo de Pedrinhas, são contínuas as violações de direitos humanos, com presos submetidos a tortura, comida estragada, celas hiperlotadas e higiene precária.
“Os ossos quebrados e marcas de espancamento foram substituídos pelo uso do spray de pimenta e pelas bombas de gás lacrimogêneo, frequentemente disparadas para dentro das celas”, ressalta Sandra Carvalho, coordenadora da Justiça Global, sobre métodos de tortura utilizados para punir e castigar detentos.
Conselho Nacional do MP quer choque de gestão no Complexo Penitenciário de Pedrinhas - GNews (Foto: Reprodução/GloboNews)Conselho Nacional do MP pediu choque de gestão
em Pedrinhas (Foto: Reprodução / GloboNews)
Prisões provisórias
Segundo o relatório, o difícil acesso dos presos à Justiça reflete no alto número de prisões provisórias: 60% dos detentos de Pedrinhas ainda não foram condenados, enquanto a média brasileira é de 41%.
“A maioria dos presos com os quais tivemos contato nestes dois anos de inspeções afirmou nunca ter visto um juiz, promotor ou defensor público”, diz Wagner Cabral, presidente do Conselho Diretor da SMDH.
Recomendações
O relatório destaca ainda cinco recomendações ao Estado brasileiro para solucionar as violações de direitos humanos no Complexo de Pedrinhas.
Presidiário usa um espelho para observar visitantes que adentram o Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís (MA) (Foto: Mario Tama/Getty Images)Presidiário usa um espelho para observar visitantes em Pedrinhas (Foto: Mario Tama / Getty Images)
São elas: adequação das instalações; apuração de fugas, rebeliões, corrupção e mortes; aumento do efetivo de agentes penitenciários e substituição de terceirizados; cumprimento das normas de regulação do uso da força e de armas por agentes de segurança; e fortalecimento da Defensoria Pública no Maranhão e instalação do Comitê e do Mecanismo de Prevenção e Combate à Tortura.
Sejap
A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Sejap), em nota, afirma que, pautada na aplicação da Lei de Execuções Penais (LEP), alcançou, em 14 meses de gestão, alguns resultados. Entre eles, a gestão destaca que ‘fechou o primeiro ano de governo com uma expressiva diminuição no número de homicídios (-76,47%) e fugas (-72,16%), no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, ao cumprir, entre outras providências, a separação de presos em prol de sua integridade física, conforme reza o art. 84 da LEP’.
A Sejap ressalta ainda que em um ano, não houve qualquer registro de motins e rebeliões; e há nove meses não há homicídio no Complexo de Pedrinhas.
Complexo Penitenciário de Pedrinhas (MA) tem nova tentativa de fuga - GNews (Foto: Reprodução/GloboNews)Complexo Penitenciário de Pedrinhas (MA) tem tentativa de fuga (Foto: Reprodução / GloboNews)
Fonte: G1 Ma