O Secretário Adjunto da Secretaria do Desenvolvimento Agrário do Estado do Ceará, Wilson Brandão, conheceu de perto o Programa de Governo, “Plano Mais IDH”, que está sendo desenvolvido nos trinta municípios mais pobres do Estado. A visita está sendo feita nesta sexta (26), no povoado Lagoas, no município de Belágua. O objetivo da comitiva é replicar a tecnologia aplicada nas famílias do Maranhão no Estado do Ceará.

Wilson Brandão e seu assessor Oscar Arruda conheceram as ações da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar- SAF, e ficaram vislumbrado com o trabalho de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) feita pelo Sistema SAF (Secretaria de Estado da Agricultura Familiar -SAF e seus órgãos vinculados, a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural - Agerp e Instituto de Colonização e Terras - Iterma) nas Famílias do município do mais IDH.

“O ‘Plano Mais IDH’, é fantástico. O Maranhão saiu na frente porque além de prestar um trabalho humanizado, que visa elevar os Índices de Desenvolvimento Humano (IDH), o acesso ao fomento, assistência técnica e a própria tecnologia do programa não tem burocracia. Estamos aqui para conhecer de perto os resultado do Plano, que já é considerado exitoso, e replicar no Estado do Ceará”, enfatizou o Secretário Adjunto do Ceará.

O município visitado pela comitiva da Secretaria do Desenvolvimento Agrário do Estado do Ceará foi Belágua, que já tem 117 famílias cadastradas espalhadas por várias comunidades do município, que até então não possuía nenhum tipo de sistema produtivo, hoje, já possui 85 Sistemas Integrados de Tecnologias Sociais (Sistecs) e 15 ‘Sisteminhas’ já instalados.

As 10 famílias do povoado Lagoas receberam um “Sisteminha” para produção integrada de alimentos e já estão produzindo cheiro verde, alface, couve, cebolinha, pepino, quiabo, maxixe, batata e feijão biofortificados e milho. Além da produção de hortaliças, a comunidade recebeu 75 pintos para iniciar o projeto de avicultura e estão montando o tanque para criação de peixes.

Para o abastecimento do sistema, a comunidade, que não possui energia elétrica, foi beneficiada com um kit de energia solar que no momento que a luz atinge o painel gera
corrente elétrica para impulsionar o funcionamento da bomba, que consequentemente catalisará a água do poço para a caixa dágua.

“Sinto feliz e orgulhoso dos técnicos na perspectiva que vamos alcançar grandes resultados. O trabalho está sendo feito com muito amor e dedicação e nós só entendemos a importância do Plano quando olhamos o brilho nos olhos de cada pessoa beneficiada e que acreditam que agora são capazes de superar a fome e a miséria,” disse Adelmo.

O secretário informou ainda que o interesse do Ceará em replicar o modelo do Plano Mais IDH, é um indicativo de que o Estado está no Caminho certo.






A produção de alimentos em Lagoas era apenas um sonho. Para a agricultora Maria José, com o ‘Mais IDH’ vai melhorar a vida dos moradores e que agora vai poder alimentar os quatro filhos. “Tinha dia que meus filhos tomavam só o café e ficavam até à noite sem comer nada, e muitas vezes dormiam de barriga vazia porque não tinha comida. Agora vai ter comida todo dia,” contou Maria José.
Para o presidente da Agerp, Júlio César Mendonça, “o Plano ‘Mais IDH’ representa a mudança que a agricultura familiar precisava no Maranhão. Levar assistência técnica contínua e de qualidade é o diferencial para a mudança na vida das famílias beneficiárias.”

Até a segunda quinzena de fevereiro, os 90 técnicos que acompanham os trabalhos nos 30 municípios com menor IDH do estado, já cadastraram três mil famílias e instalaram 1.344 Sistemas Integrados de Tecnologias (Sistecs) e 600 ‘Sisteminhas’. No total, 2.120 famílias já receberam a primeira parcela do fomento de R$ 2.700 do Governo do Estado para investir nos Sistecs.
O Sisteminha foi produzido pela Embrapa e consiste na criação de peixe, aves, húmus e na produção de hortaliças e frutas.