Sargento aposentado atirou na recepção do Socorrão 2, em São Luís.
Semus diz que não havia risco de morte e foi sugerida outra unidade.

Márcia Carlile e Michel Sousa
Do G1 MA
A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informou, por meio de nota, neste sábado (26), que o Hospital de Urgência e Emergência Dr. Clementino Moura (Socorrão 2), em São Luís, não negou atendimento ao pai do sargento aposentado da Polícia Militar, Francisco das Chagas Pereira Franco, de 51 anos, preso depois de efetuar disparos de arma de fogo na recepção do hospital, na sexta-feira (26). Ninguém foi ferido pelos tiros.
Na nota, a Semus afirma que o policial teria chegado ao hospital com o pai Erigidis Amorim, que apresentava luxação no fêmur causada por uma queda.
Segundo a secretaria, como não havia risco de morte, foi sugerido que a família procurasse atendimento em unidade de urgência, já que o Socorrão 2 atende a casos de alta complexidade.
Policial atirou duas vezes contra um enfermeiro da triagem do Socorrão 2, em São Luís (Foto: Josimar Almeida / Divulgação)Policial atirou duas vezes contra enfermeiro da
triagem do Socorrão 2, em São Luís
(Foto: Josimar Almeida / Divulgação)
Na nota, a Semus afirma que o sargento teria se alterado e efetuado os disparos, atingindo um computador da recepção. Os tiros provocaram pânico em pacientes que aguardavam atendimentos. Alguns passaram mal.
A direção do hospital também disse que, mesmo após os disparos, foi realizado o atendimento do paciente e providenciada a transferência dele para o Hospital Geral. Leia a íntegra da nota abaixo:
A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informa que em relação ao incidente ocorrido na tarde da última sexta-feira (25), a direção do Socorrão II esclarece que não foi negado atendimento ao paciente Erigirdes Amorim. Ele chegou ao hospital apresentando luxação no fêmur em decorrência de queda, e por não se tratar de caso envolvendo risco de morte, foi sugerido à família procurar atendimento em outra unidade de urgência, de média complexidade. O filho do referido paciente se alterou e efetuou disparos nas dependências do hospital, causando danos materiais.
A direção informa que foi feito o atendimento do paciente e providenciada sua transferência para o Hospital Geral.
O sargento continua preso na Delegacia Especial da Cidade Operária (Decop), na capital maranhense.
Fonte: G1 Ma